JUBILEU DA PAROQUIA

O desbravamento de uma região se processa sempre da mesma forma: chegam as primeiras famílias, se instalam em ranchos de pau a pique cobertos de sapé, derrubam um trecho de mata e ali começam a desenvolver suas atividades. Aos poucos mais pessoas vão se agregando àquele grupo.

Em sua maioria católicos, sentem a necessidade de se unirem em oração. Alguém mais abnegado cede uma área de terras, ali fincam um cruzeiro, símbolo do martírio de Cristo; constroem primeiro uma capela, depois uma igreja de madeira maior e finalmente surge um templo grande, majestoso. Ligados a uma paróquia, de início distante, um padre abnegado vai periodicamente até aquela localidade. O povão se reúne, assistem a missa, são feitos os batizados e há um intercâmbio religioso de muito bom proveito. O bispo da Diocese à qual pertence a paróquia, de uma cidade distante, numa data festiva comparece e ministra o sacramento da Crisma. E aquele povo vive feliz, unido, cresce e se desenvolve.Assim também aconteceu com a Paróquia de Cambira. A pessoa que cedeu uma área de terras para o marco religioso foi o sr. Diogo Ávila Munhoz. Os padres que davam assistência era Francisco Korner, Armando Círio e João Barbieri. Vinham de Apucarana para oficiar as cerimônias religiosas. O bispo na época era Dom ... Sigaud que vinha de Jacarezinho. Posteriormente foi criada a Diocese de Londrina e atualmente de Apucarana. Na época, as cerimônias religiosas (terços e novenas) eram comandadas pelo sr. João Davantel, a quem denominavam capelão.A primeira capela era mui pequena, de madeira rústica e, segundo relato de alguns pioneiros, sua construção se deu no ano de 1947. Posteriormente, a Comissão local adquiriu a madeira da igreja matriz de Apucarana, em demolição, a qual serviu para a construção da nossa Igreja, cuja tarefa coube ao sr. Adão Fabene, com o auxílio do sr. Nicola Mareze e seus filhos, bem como de membros da comunidade cambirense.